MATERIAL DE SEGURANÇA E DE ARMAMENTO EM CAIAQUE E SUP

Imagem: Decatlhon

A prática do caiaque em mar é regulamentada por um texto oficial: a divisão 240. Esta última agrupa as regras de segurança que se aplicam a todas as embarcações de comprimento inferior ou igual à 24m. Esse texto foi modificado e entrou em vigor em 1º de maio de 2015.

É uma oportunidade de avaliar o material de segurança que você deve obrigatoriamente possuir para andar de caiaque e stant-up paddle (SUP).
UM MATERIAL DE SEGURANÇA DIFERENTE DE ACORDO COM A ZONA DE NAVEGAÇÃO
Para navegar no mar, seu caiaque deve ser aprovado para “mar” pelo fabricante e registrado nos Assuntos Marítimos se você deseja navegar a mais de 2 milhas* de um abrigo. Um abrigo é o local onde um navio atraca ou se protege com toda segurança.Apenas para lembrar, na França, a navegação é delimitada por 3 zonas, de acordo com suas distâncias de um abrigo. Elas são determinadas da seguinte forma:
– na faixa dos 300m: na qual é possível navegar sem material de segurança específico e sem verificação da embarcação;
– zona inferior a 2 milhas de um abrigo: podem navegar ali os caiaques e os SUP equipados de um registro e armamento de segurança obrigatório;
– zona superior a 2 milhas e inferior a 6 milhas de um abrigo: atenção, os SUP não são autorizados a navegar nesta zona. Para os caiaques, o material de armamento de segurança também é necessário aqui.
MATERIAL DE ARMAMENTO “BÁSICO” PARA CAIAQUE E SUPO MATERIAL E O EQUIPAMENTO NA FAIXA DOS 300 METROS
Seu caiaque pode ser inflável ou rígido e de comprimento inferior a 4 metros. Os iniciantes privilegiarão um caiaque sit-on-top: insubmersível e de assento baixo, que facilita o embarque / desembarque. Uma peça de reboque munida de um mosquetão, de comprimento pelo menos igual ao comprimento da embarcação é fortemente recomendada.
Não há material ou equipamento obrigatório, mas nós recomendamos fortemente que você utilize um colete salva-vidas flutuante para todos os passageiros.
Para os dias quentes e se houver sol, considere levar um chapéu e óculos com efeito polarizante, que o protegerão dos reflexos do sol na água. Uma roupa de neoprene (curta ou comprida) dará a você mais calor e uma proteção contra irritações durante a prática (a parte de trás e os joelhos reforçados) para uma viagem de longa duração. Também é importante usar calçados, pois a natureza do solo pode ferir seus pés no local de embarque e desembarque (conchas, ouriços, pedras…)
Para as temperaturas mais amenas ou em caso de vento, é necessário adicionar uma jaqueta corta-vento e uma camisa térmica por baixo da roupa comprida.
Em todo caso, sempre veja o tempo antes de partir, assim como os horários da maré. Avise alguém antes de sair e saia sempre contra o vento (acima de 30km/h, a progressão contra o vento fica mais difícil).
MATERIAL ACIMA DE 300 METROS E ATÉ 2 MILHAS DA COSTA
O kit mínimo obrigatório é composto de:
– um colete salva-vidas por pessoa embarcada de, no mínimo 50N; de material luminoso para ser facilmente detectado (luzes, lâmpada impermeável, etc.);
– um dispositivo de drenagem móvel ou fixo, como bujão de drenagem (com exceção das embarcações de assento baixo);
– material para montar novamente uma pessoa caída na água;
– um dispositivo de reboque (peça de reboque de 5 à 8m);
– um flutuador de remo que permite subir sozinho na embarcação.
– os horários do mar (fora do Mediterrâneo)Além desses essenciais obrigatórios, outros acessórios são fortemente recomendados:
– 1 remo de emergência ;
– um telefone portátil colocado em uma bolsa impermeável;
– roupas secas colocadas em uma bolsa impermeável.
MATERIAL DE SEGURANÇA DE CAIAQUES PARA NAVEGAR ATÉ 6 MILHAS
Você quer navegar além de 2 milhas? Até 6 milhas de um abrigo, você entra na zona chamada “costeira”. Em caiaque, você deve evoluir para, no mínimo, duas embarcações e levar com você – além do equipamento “básico” citado anteriormente -, o seguinte material:– 3 luzes vermelhas automáticas de mão;
– 1 espelho de sinalização;
– 1 meio de sinalização sonora (sirene ou apito);
– 1 compasso magnético ou GPS;
– um mapa marítimo da zona de navegação;
– o RIPAM (Regulamento Internacional para evitar colisões no mar);
– um VHF impermeável, que não afunda.
Conserve esse material em um recipiente impermeável para evitar deterioração, principalmente as luzes de mão, que são muito sensíveis à umidade.
E não se esqueça de verificar regularmente o bom estado desses dispositivos, assim como sua data de validade!É bom saber: Os caiaques e os SUP são autorizados a navegar apenas durante o dia.
GARANTIR SUA SEGURANÇA NO CAIAQUE DE MAR E SUP É TAMBÉM…Mesmo se você estiver equipado com o material obrigatório, isso não é suficiente para garantir totalmente sua segurança a bordo de um caiaque ou SUP.
Antes de sair para um passeio no mar, é recomendado que você tenha um mínimo de prática sobre esse tipo de navegação. Em caso de problemas, não há nada melhor do que a experiência, que permite tomar decisões eficazes e rápidas.
Para você sair com a mente tranquila, informe-se sistematicamente sobre o estado do mar e sua possível evolução, como a do tempo. Força e direção do vento são parâmetros importantes. E não se esqueça: um mar calmo não é necessariamente um sinal de segurança, pois o vento é um fator crucial se ele empurra você para longe…
Por isso, adapte seu percurso tomando cuidado de sair contra o vento ou o mar, para ter esses elementos nas suas costas no caminho de volta, quando você estiver mais cansado…
Faça uso de seu VHF para garantir uma observação do tempo. Em caso de mudança meteorológica importante, as informações serão transmitidas pelo CROSS em seu rádio, pelo Canal 16.Você pode encontrar essas informações no Guia do Caiaque de Mar, editado pelo Ministério do Meio Ambiente, da Energia e Marítimo.
Em caiaquismo responsável, você deve estar pronto para andar bem equipado. Um olho no tempo, um ouvido no VHF e as mãos em seu remo: é com você!
*1 milha corresponde a 1.852km

POR QUE DEVO COLOCAR UMA BANDEIRA NO CAIAQUE?

por lielson

Pescar de caiaque é prazeroso, mas alguns cuidados com a segurança são sempre necessários.

Quando pescamos em canais, praia e ou baías onde existe uma movimentação grande de embarcações de médio e dgrande porte é fundamental o uso de uma haste – que é conhecida como antena, e uma bandeira.

Geralmente são usadas as de formato triangular na cor laranja (pode ser vermelha também), instalada nas proximidades da popa de nossos caiaques.

Esse pequeno, mas imprescindível acessório, deixa o caiaque mais visível aos condutores das embarcações, que em sua posição de condução perto da linha d’água, estão com a visibilidade comprometida.

Não bobeie com a sua segurança e se torne mais visível.

Fonte: Revista Pesca & Companhia

VENTO E CORRENTEZA PARECERAM FÁCEIS

Domingo, 04 de junho de 2017.

Resolvi remar, ou melhor pedalar, meu Marlim a Pedal, fabricado pela Caiaker do Brasil, no rio Sergipe.
O local ecolhido foi a Orlinha do Bairro Industrial às 10hs com a maré enchendo, descendo na Ponte Aracaju/Barra dos Coqueiros.
No percurso encontrei vários bôtos e apenas 3 peixes foram fisgados :).
Na volta enfrentei vento e correnteza, mais o rendimento do Marlim foi muito bom, chegando a atingir a velocidade máxima de 12.4 Km/h e uma média de 5.3 KM/h. Percurso total de 5.34 Km.

Veja detalhes no Marine Traffic, CAIAQUE MARLIM PEDAL, MMSI: 917100330.

ESTREANDO O MEU CAIAQUE MARLIM A PEDAL

 21 de maio de 2017.

Primeiro dia em que levei o meu novo caiaque Marlin a Pedal, fabricado pela Caiaker do Brasil, no rio Vaza barris em Aracaju/SE.

Minhas impressões sobre ele:

1 – Estabilidade muito boa, consegui ficar em pé facilmente e não cai, mesmo quando passavam bem próximo jetsky e lanchas criando marolas;

2 – Velocidade boa, desliza fácil nas águas, mesmo com correnteza média;

3 – Confortável a ponto de que eu não parei de pedalar no que acabou que nem pesquei;

4 – Dirigibilidade tranquila e estável.

5 – Como nunca tinha ido pescar com caiaque a pedal, utilizo apenas remo e vela Asa de Morcego, não tinha a noção do que era pescar num caiaque desse.

Recomendo a aquisição do mesmo e tenham como eu, a satisfação do dinheiro empregado.

Por se tratar de um produto nacional, muitos de nós não valorizam.

Mas fica aqui a minha experiência com os caiaques da Caiaker do Brasil, os mesmo são muitos bons, robustos e confiáveis.

Eu mesmo tenho em minha casa 2 Pinguins, 1 Foca Duplo e agora 1 Marlin a Pedal.

Show!

Assistam este pequeno video

REGRAS DA MARINHA DO BRASIL, PARA EMBARCAÇÕES MIÚDAS

1) Definição: É considerada embarcação miúda, qualquer barco inferior ou igual a cinco metros, incluindo pranchas de surf e windsurf, caiaque, caíque, canoa, pedalinho e jet-ski;

2) Inscrição Simplificada:
Exceto as pranchas de surf, windsurf, o caiaque, o caíque, a canoa sem propulsão a motor e o pedalinho, todas as outras miúdas deverão ser inscritas nas capitanias dos portos, delegacias e agências da marinha utilizando o formulário simplificado.

3) Como Fazer a Inscrição:
Basta preencher o formulário correspondente e remetê-lo para um dos órgão da marinha pelo correio ( via sedex ou carta registrada).
Deve-se guardar o comprovante e não é necessário o pagamento de qualquer taxa.

4) Seguro Obrigatório:
Todas as embarcações miúdas deverão possuir o seguro obrigatório contra danos causados a pessoas.
Este seguro pode ser feito junto às empresas seguradoras.

5) Identificação:
Exceto pranchas de surf e windsurf, caíques, caiaques, canoa sem propulsão a motor e pedalinhos, todas as embarcações miúdas deverão Ter identificação alfanumérica (extraída da inscrição simplificada).
Esta identificação deve ser gravada na metade do vante, em ambos os bordos, em cor que contraste com a embarcação, com letras e números superiores a 10 cm (o nome do barco é facultativo).

6) Habilitação:
Somente não necessitam de habilitação os condutores de embarcações miúdas que não precisam de inscrição, em todas as demais é exigido a habilitação mínima de arrais amador para barcos a motor ou veleiro para barcos a vela.

7) Requisitos de Segurança:
7.1 – A velocidade de saída e chegada em praias, marinas ou iate clube, deve ser reduzida (menor que 5 nós).
A aproximação em praias deve ser feita na parte mais abrigada, respeitando o balizamento, se existir.
7.2 – É obrigatório (exceto para pranchas de surf e windsurf) que os coletes ou salva-vidas estejam a bordo.
Os que navegam em mar aberto, o colete deve ser de Classe II, enquanto os de navegação inferior, Classe III.
O número de coletes corresponde à lotação da embarcação, mais 10%.
7.3 – A Marinha proíbe o uso de motor com potência maior que a especificada pelo fabricante, também é igualmente proibido exceder a lotação da embarcação.

8) Horário Permitido do Passeio:
As embarcações miúdas que não possuam luzes de navegação previstas pelo RIPEAM, somente poderão navegar entre o nascer e o pôr do Sol.

9) Planejamento do Passeio:
O condutor da embarcação deverá comunicar a entidade náutica a que estiver associado ( ou a outra pessoa de seu relacionamento) para onde irá e quando regressará.
Recomenda-se que a quantidade de combustível seja dividida da seguinte maneira: 1/3 para a ida, 1/3 para a volta e 1/3 de reserva.

10) Limites de Navegação:
As embarcações a motor devem se manter afastadas no mínimo 200 metros da orla marítima e 100 metros da orla fluvial ou lacustre, se houver balizamento no local, o mesmo deve ser respeitado.
Também não é permitido navegar ou fundear a menos de 200 metros ( ou valor especificado no local) de instalações militares, usinas hidrelétricas, fundeadouros de navios mercantes, canais de acesso a portos ou instalações do porto.

11) Informações Obrigatórias dos Fabricantes:
Todos os fabricantes de embarcações miúdas são obrigados a elaborar um folheto explicativo do trabalho e manuseio da embarcação, e além disso, fixar placa com os seguintes dados:
a) – Lotação;
b) – Comprimento Total;
c) – Potência máxima de propulsão

O proprietário obriga-se a:
a) – Inscrever a embarcação e colocar indicações externas;
b) – Efetuar as manutenções necessárias e recomendadas pelo fabricante;
c) – Conhecer os procedimentos básicos de segurança de navegação;
d) – Estar habilitado segundo as instruções da Diretoria de Portos e Costas.

12) Fiscalização: As embarcações miúdas, serão fiscalizadas a priori, pela Capitania dos Portos.
As Delegacias e Agências, poderão receber auxílio neste sentido, das autoridades estaduais.

13) Transporte da Embarcação por Via Terreste:
A capitania dos portos não emitirá nenhum tipo de licença para o transporte de embarcações miúdas por via terrestre.
O proprietário deverá portar o comprovante de propriedade aduaneira ( no caso de embarcações estrangeiras), o boletim de inscrição simplificada, as notas fiscais de compra do barco e do motor.
Quando navegar, deverá estar de posse da documentação acima, do seguro contra danos pessoais e da habilitação do condutor.

14) Em Caso de Acidentes:
Quando ocorrerem acidentes, o proprietário ou condutor, deve comunicar o fato à capitania dos portos (delegacias e agências) e também a autoridade policial mais próxima.
É importante saber que o piloto da embarcação ou qualquer pessoa a bordo é obrigado (desde qu e não coloque a embarcação ou a própria vida em risco) a prestar socorro a quem estiver em perigo de vida na água.

CAIAQUE MARLIM SEM PEDAL SERÁ SORTEADO

Caiaque Marlim sem pedal, doado pela Caiaker do Brasil, e que será sorteado entre os participantes do I Encontro de Caiaques do Grupo Kayak Fishing Sergipe, que será realizado dia 09 de julho de 2017 na Orla Pôr do Sol,  no Mosqueiro, em Aracaju.

Participe, faça sua inscrição aqui.

A Organização.

DEFINIDA NOVA DATA DO 1º ENCONTRO

Vem ai…

 O evento, que acontecerá em Aracaju no dia 09 de julho de 2017, e é aberto ao público!
O 1º Encontro do Grupo Kayak Fishing de Sergipe já tem data para acontecer: será dia 09 de julho de 2017, domingo, em Aracaju – Sergipe. Será um momento ideal pra trocar experiências entre os caiaqueiros que gostam de utilizar o caiaque no lazer e na pescaria embarcada.O objetivo do evento é a integração dos amantes do Caiaquismo. Os participantes farão um passeio de caiaque, que será no Rio Vaza Barris, na Orla Pôr do Sol, no Mosqueiro indo até a Crôa do Goré e retornando.Haverá um sorteio de prêmios. Entre eles, um caiaque modelo Marlim que está sendo ofertado pela Caiaker do Brasil. A expectativa é de reunir aproximadamente 40 caiaques.Qualquer um pode tanto participar do grupo como do evento. Obrigatoriedade do uso de coletes salva-vidas.Para se inscrever no encontro, basta preencher o formulário no site http://kayakfishingsergipe.com.br/index.php/inscricoes/ .É preciso informar nome completo, e-mail válido, telefone de contato.

A inscrição custa apenas a doação de 5 Kg de  alimentos não perecíveis que serão doados à Instituição Creche Almir do Picolé.

Cada caiaque/participante ganhará um cupom com um número da sorte.

Para que o participante tenha direito a concorrer aos sorteios, deverá estar presente e participar do passeio, e confirmar a entrega dos alimentos.

Esta configuração poderá a qualquer tempo ser alterada pela organização, para melhor adequação.

Alberto Jorge Mesquita da Costa
Organizador

ENFIM, MEU CAIAQUE MARLIM A PEDAL

Realizando um grande desejo de melhorar cada dia mais, na prática da Pesca com Caiaque, eis que chega o meu Caiaque Marlin a Pedal, da fábrica Caiaker do Brasil.

Como diz o velho ditado: “A primeira impressão é a que fica!”, e a impressão que tive dele, foi a melhor possível. Estou de olhos esbugalhados, e satisfeito como uma criança que ganha pirulito!