REMAR É ÓTIMO À SAÚDE, DEFINE O CORPO E ALIVIA O ESTRESSE

A correria do dia-a-dia tem nos causado estresse.

Se esta é a sua situação, Fuja dela imediatamente.

Reúna seus amigos, peguem seus caiaques e vão remar.

Aproveitem para praticar a atividade PESQUE E SOLTE.

A remada com caiaque além de prazerosa, acaba com o estresse, faz bem à saúde e renova.

Não tem caiaque?
Encontre um amigo que o tenha e fale pra ele a sua intenção de remar um.
Com certeza ele te convidará pra curtir esses momentos.

Viva, renove-se, desestresse-se.

Caiaquismo é harmonia da mente com o corpo.

Nos encontramos na água.

Mesquita – Kayaker Fishing

GOVERNO INCREMENTARÁ TURISMO C0M REFORMA NA ORLA PÔR DO SOL, EM ARACAJU

Por meio do Prodetur, o Governo de Sergipe investe R$ 1.480.000 para proporcionar que turistas e visitantes locais desfrutem mais da área de lazer

A partida do sol, sob tons pasteis, às margens do rio Vaza Barris, poderá ser apreciada de maneira mais confortável e agradável, em Aracaju, graças a obra de revitalização da Orla Pôr do Sol, no Mosqueiro. Por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), o Governo de Sergipe investe R$ 1.480.000 para proporcionar que turistas e visitantes locais desfrutem da área de lazer onde podem ser praticadas caminhadas, competições esportivas, prática de canoagem, caiaquismo, stand up paddle ou onde pode ser registrada foto como lembrança do passeio. 

Um dos cartões postais da capital sergipana terá sua estrutura renovada e ganhará novos espaços. O atracadouro será reconstruído, ganhará iluminação e restauração de pilares, da laje e vigas, melhorando a ida e vinda de turistas e sergipanos que embarcam para destinos como a Crôa do Goré e Ilha dos Namorados. Quem chegar à orla por meio de ônibus, descerá em ponto de ônibus sinalizado e com lombada de acessibilidade, para facilitar o deslocamento de pessoas com deficiência. As informações são do coordenador de infraestrutura do Prodetur, Rafael Corona.

“Quem frequentar a orla terá mais segurança e comodidade. Queremos fazer com que os turistas e visitantes locais queiram aproveitar o espaço por mais tempo. Aqui é um ponto forte do turismo local e tem diferentes tipos de atrativos”, comentou Rafael, acrescentando que outros benefícios da revitalização da orla serão a instalação de lâmpadas de LED, espaço para coleta de lixo, sinalização turística indicativa, câmeras de monitoramento e reforma do posto policial.

A Orla Pôr do Sol tem projeto de manutenção que prevê a construção de núcleos de banheiros e chuveiros públicos para acesso, por exemplo, de quem desembarca de passeios pelo rio. O coordenador de infraestrutura do Prodetur explica que, além disso, desenhos artísticos no piso e em paredes da orla serão revitalizados, haverá renovação do piso de madeira do deck, e a previsão é que sejam retomadas as atividades do Centro Cultural da área. Para que tudo isso seja feito, já está em andamento o processo licitatório. Após esta etapa, será realizada a obra, com prazo de seis meses de duração.

Vantagens

O Programa de Desenvolvimento do Turismo proporciona que o Governo do Estado fortaleça a economia e o desenvolvimento social de Sergipe por meio do turismo e consolide a gestão setorial cooperativa e descentralizada, oportunizando um modelo de desenvolvimento turístico a partir do qual os investimentos respondam tanto às especificidades locais quanto a uma visão integral do turismo no Brasil. Para Sergipe, são destinados R$ 300 milhões para infraestrutura turística.

De acordo com o assessor econômico do governo, professor Ricardo Lacerda, o turismo é importante por desenvolver uma cadeia produtiva extensa, que envolve os setores de alimentação, hospedagem, entretenimento, lazer e transporte, proporcionando geração de renda e postos de trabalho. “Sergipe tem fluxo de turistas durante todo ano, pois já é uma atividade firmada no estado e que tem muito a crescer e gerar emprego e melhoria financeira para as pessoas”, destacou.

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), no grupo denominado ‘alojamento e alimentação fora de casa’, em Sergipe, no ano de 2015 foram 32.000 pessoas destinadas a isso. Em 2005, eram 18.000. Ou seja, o número praticamente dobrou. “Esse dado é muito bom. Ele indica que muita gente se dedica e tira seu sustento a partir da atividade ligada ao turismo. É um emprego que cresce mais rápido que o geral da economia”, pontuou Lacerda.

Prodetur

O Prodetur é uma linha de crédito entre o Governo do Estado e o Banco Interamericano de Desenvolvimento no Brasil (BID) no valor de US$ 100 milhões (mais de R$ 300 milhões) para o desenvolvimento do turismo em Sergipe, no âmbito do Programa Nacional. Cabe ao BID o financiamento de US$ 60 milhões, sendo US$ 40 milhões de contrapartida estadual.

Por meio do programa, serão contemplados investimentos na construção e recuperação de orlas e equipamentos turísticos, patrimônio histórico, qualificação da mão-de-obra, infraestrutura de apoio e fortalecimento institucional do turismo. Além da nova Orla de Aracaju, estão previstos dois atracadouros no povoado Caibros, em Itaporanga; construção da orlinha do povoado Curralinho, em Poço Redondo; as reformas da Orla Por do Sol e do Centro de Turismo em Aracaju, entre outros investimentos que irão transformar significativamente o setor econômico do turismo em Sergipe.

PESQUE E SOLTE

http://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/livros/pesqueesolte.pdf

A necessidade de desenvolvimento de técnicas adequadas relativas ao manuseio dos peixes capturados, levou o Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros Continentais – CEPTA, Centro Especializado do IBAMA, com apoio do PNDPA, a realizar um rol de pesquisas sobre a pesca amadora, abordando inclusive a modalidade pesque-e-solte, considerando os efeitos desta prática sobre a integridade física dos peixes e suas funções vitais. Destas pesquisas resultaram trabalhos sobre a sobrevivência dos peixes capturados e procedimentos adequados que vêm minimizar os efeitos nocivos da captura/soltura dos peixes.

Assim, o objetivo deste documento é orientar os pescadores quanto aos corretos procedimentos utilizados na prática do pesque-e-solte, a partir de informações técnicas geradas pelas pesquisas levadas a efeito do CEPTA, objetivando o aumento da sobrevivência dos exemplares de peixes capturados.

Fonte: IBAMA

LICENÇA DE PESCA AMADORA EMBARCADA

Licença de pesca amadora
Por: Wellerson Santana

Entende-se por pesca amadora e/ou esportiva a atividade de pesca praticada por brasileiro ou estrangeiro, com os equipamentos ou petrechos previstos na Instrução Normativa MPA/MMA N° 09, DE 13 DE JUNHO DE 2012, tendo por finalidade o lazer ou esporte.

A Licença para Pesca Amadora do MPA é válida por 1(um) ano em todo território nacional e, uma vez licenciado, o pescador pode pescar em qualquer região do país, não havendo necessidade de pagamento da licença estadual.

No entanto, as normas estaduais devem ser respeitadas quando forem mais restritivas do que a norma federal.

O limite de cota de captura e transporte federal de pescado por pescador é de 10 kg mais um exemplar para águas continentais e 15 kg mais um exemplar para águas marinhas e estuarinas, porém cada estado pode determinar cotas por região, nesse caso consulte a legislação estadual.

A licença de pesca amadora é individual, portanto o boleto, após impresso, somente pode ser pago uma única vez.

A licença provisória apenas terá validade mediante a apresentação do comprovante de pagamento bancário.

CLASSIFICAÇÃO DO PESCADOR AMADOR

Categoria A
– Abrange a pesca desembarcada, usando linhada de mão, puçá, anzóis simples ou múltiplos empregados com caniço simples, carretilhas ou molinetes, com isca natural ou artificial.
Taxa anual R$ 20,00 (Vinte Reais)

Categoria B
– Abrange a pesca com os mesmos equipamentos descritos na categoria A, porém, permite o uso de embarcações de classe “recreio”.

A pesca subaquática com uso de espingarda de mergulho, desde que praticada em mergulho livre (sem aparelhos de respiração artificial), também é permitido na categoria B.

A INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL No 9, DE 13 DE JUNHO DE 2012 agregou as categorias B e C, passando a pesca sub a fazer parte da categoria Embarcada.
Taxa anual  R$ 60,00 (Sessenta Reais)

Carteira de pesca para a classe permanente é destinada a aposentados, homens acima de 65 anos e mulheres acima de 60 anos conforme lei nº 9.059/95 (isenta de pagamento)

Carteira para a classe especial é destinada a menores de 18 anos sem direito ao transporte de pescado previsto na legislação vigente. (isenta de pagamento)

Proibição:
Não é permitido o emprego de aparelhos de respiração artificial na pesca subaquática, a não ser para pesquisa ou fotografia.

Aposentados:
Recentemente foi aprovada a Lei no. 9.059, que dispensa os aposentados, homens com mais de 65 anos e mulheres acima de 60 anos do pagamento da taxa, mas não da licença da Pesca.

Os aposentados devem retirar um DR especial no próprio IBAMA e levar RG, CPF e comprovante de aposentaria (código 42, 43, 46 ou 32; não serve o benefício).

Já os idosos precisam apresentar somente o RG e o CPF.

A Licença para esses casos não é anual, vale por tempo indeterminado.

É importante ressaltar que a Licença de Pesca amadora não permite a comercialização do pescado.

A pescaria deve ter a finalidade esportiva apenas.

Preencha aqui para ter a sua:

http://sistemas.agricultura.gov.br/pndpa/web/pesca_amadora.php/